Em João Pes­soa, onde esta­va, em mea­dos de dezem­bro de 1981, Cel­so Fur­ta­do (em Diá­ri­os Inter­mi­ten­tes, livro orga­ni­za­do por Rosa Frei­re d’A­gui­ar, para a Cia das Letras, em 2019), nos­so mai­or pen­sa­dor econô­mi­co (não digo eco­no­mis­ta, pois seria pou­co para dizer o modo como ele cons­truiu seu pen­sa­men­to crí­ti­co e seus impor­tan­tes pro­je­tos) com acui­da­de carac­te­ri­zou a dife­ren­ça entre o “isso” e o “isso aí”, ao obser­var a difi­cul­da­de bra­si­lei­ra em conec­tar os even­tos da vida polí­ti­ca a uma refle­xão polí­ti­ca: “os jor­nais publi­ca­ram uma foto­gra­fia de uma esco­la, que a polí­cia des­truí­ra a pedi­do de um lati­fun­diá­rio, para con­fir­mar que a ter­ra lhe per­ten­ce e não a uma comu­ni­da­de cam­po­ne­sa que dela tem a pos­se. Isso está entre os faits divers, não tem reper­cus­são polí­ti­ca. Todo mun­do está des­con­ten­te e gos­ta­ria que ‘isso’ mudas­se, mas não rela­ci­o­na os pri­vi­lé­gi­os de que des­fru­ta com ‘isso aí’.”
Cel­so Fur­ta­do pas­sou sua vida intei­ra dizen­do que o mun­do podia ser melhor, como admi­tiu, sem­pre sali­en­tan­do “que há algo a fazer em cada momen­to”.
Hoje, dia em que com­ple­ta­ria cem anos, é impres­cin­dí­vel lem­brar e recu­pe­rar esse exem­plo e esse pen­sa­men­to, se dese­ja­mos, de fato, con­ti­nu­ar o difí­cil cami­nho de cons­tru­ção de um País melhor para todos, em que o desen­vol­vi­men­to ultra­pas­se as linhas da mera eco­no­mia ins­tru­men­tal e toque a esfe­ra da cul­tu­ra, envol­ven­do a soci­e­da­de, cons­ci­en­te de que os fatos do mun­do estão liga­dos por linha tênue, que somen­te pen­sa­do­res des­se por­te con­se­guem ver e ensi­nar a acom­pa­nhar.
Acom­pa­nhe­mos o melhor.