Unindo jornalismo de alta qualidade e compromisso com a democracia e os direitos humanos, e a informação do público leitor, e desvendando com atenção e cuidado os temas fundamentais da vida contemporânea, Maria Carolina Trevisan e Jamil Chade, cada um em sua área de atuação, têm nos oferecido reportagens e entrevistas essenciais para a formação da opinião pública crítica e ativa.

Aqui, realizam entrevista da mais alta importiância, ao conversarem com Baltasar Garzón, ex-magistrado espanhol, responsável pelo julgamento de crimes contra a humanidade, terrorismo, terrorismo de Estado, narcotráfico, corrupção política e contra a ordem econômica, tendo ficado famoso internacionalmente pela determinação corajosa de prisão do ditador chileno Augusto Pinochet.

Garzón falou sobre a democracia e seus riscos, corrupção, avanço da extrema-direita na América Latina, e as relações entre justiça e política.

Confira a íntegra da entrevista aqui.

Maria Carolina Trevisan é especializada na cobertura de direitos humanos, políticas públicas sociais e democracia. Coordena a área de comunicação do projeto Memória Massacre Carandiru e é pesquisadora da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós Graduação. É coordenadora de projetos da Andi – Comunicação e Direitos. Em 2015, recebeu o diploma de Jornalista Amiga da Criança por sua trajetória com os direitos da infância.

Jamil Chade  faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros, é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. entrou na lista dos 50 jornalistas mais admirados do Brasil (Jornalistas&Cia e Maxpress) em 2015 e foi eleito melhor correspondente brasileiro no exterior em duas ocasiões (Prêmio Comunique-se).